NABOKV-L post 0018949, Fri, 11 Dec 2009 23:39:27 -0200

Subject
[NABOKOV-L] TOoL - reviews in Portuguese and various links
From
Date
Body

Various links in the text below, related to TOoL and its publication in Brazil by ed.Alfaguara.
(I failed to see this item before)
www.literal.com.br/tag/

Polêmico manuscrito inédito de Nabokov chega às livrarias

Felipe Pontes, Rio de Janeiro (RJ) · 24/11/2009 ·


Vladimir Nabokov, falecido em 1977, escrevia sempre a lápis
Imagens

Uma das fichas cartonadas de O Original de Laura


A capa da edição brasileira


Chega às livrarias brasileiras esta semana O original de Laura, primeiro livro de Vladimir Nabokov publicado pela Alfaguara no Brasil. Com isso, a editora pega carona na polêmica criada em torno da publicação do rascunho de obra que Nabokov desejava queimar.

Antes de morrer, Nabokov pediu a sua mulher, Vera, e a seu filho único, Dmitri, que incinerassem as 138 fichas-cartão com o esboço de O original de Laura (Alfaguara), livro que não tivera tempo de concluir e levava para o além pronto na cabeça. Vera decidiu desobedecer o marido e manteve as fichas no cofre de um banco na Suíça. Talvez pelos mesmos motivos que, segundo a lenda, impediu o marido de queimar Lolita (Companhia das Letras).

Após a morte da mãe, em 1991, Dmitri passou a conviver com o dilema de destruir ou não tais fichas. Ele próprio tradutor de contos, cartas e romances do pai, já havia chegado a publicar outros textos inéditos, entre eles "O encantador" - conto escrito em russo, publicado em 1986, e detestado por Nabokov, que pensava tê-lo destruído. Em certo momento, chegou a ser aconselhado por Brian Boyd, principal biógrafo de Nabokov, a destruir as fichas de uma vez por todas. Aguardou o ano de 2008 para sair de cima do muro e vendeu a editoras de uma dezena de países os direitos sobre o original de O original de Laura (Alfaguara). Desde então, ler ou não o livro ganhou contornos de dilema ético.

Perfeccionista, o próprio Nabokov sempre foi claro quanto às suas convicções a respeito de obras incompletas: "Um artista deve destruir sem dó seus manuscritos após a publicação, para evitar que eles induzam mediocridades acadêmicas a pensar erroneamente que é possível destrinchar os mistérios do gênio por meio do estudo de versões abortadas. Na arte, a intenção e os planos não são nada; só o resultado conta", escreveu o autor na tradução que fez da ópera russa Eugene Onegin. [via Sérgio Rodrigues]

Apesar das condenações ferrenhas por parte de alguns críticos mais puristas, o editor da Peguin Classic, Alexis Kirschbaum, responsável pelo tratamento editorial dado às fichas, declarou em artigo ao jornal inglês The Guardian pensar que a atitude de Dmitri Nabokov é um reconhecimento do desejo do público em conhecer Vladimir Nabokov por inteiro e de que o presente deixado por um artista mediante sua arte pertence nem ao próprio artista, nem à família, mas a todos. Argumentos pouco convincentes para a revista New Yorker, que recusou-se a publicar excertos de O original de Laura (Alfaguara). Coube à Playboy americana, revista para a qual Nabokov foi colaborador, publicá-los a partir de dezembro.

No repertório de anedotas literárias mais a mão há uma série de precedentes sobre o episódio, para o bem e para o mal. A favor, talvez o mais célebre seja o da epopéia Eneida, de Virgílio. Desejada frita pelo autor, por não ter conseguido terminá-la satisfatoriamente até a morte, foi poupada das chamas pelo Império Romano. Obedecido o pedido póstumo, não teria chegado a nós o clássico, escrito com a intenção de superar a Odisséia de Homero. Mais recente, Franz Kafka é outro caso de desejo post-mortem não correspondido. Somos todos gratos à Max Brod, amigo e editor de Kafka, por ter resistido e lançado a obra do escritor tcheco, verdadeiro abalo sísmico na literatura no início do século XX.

O relançamento de textos obscuros e inéditos de escritores consagrados e há muito mortos tem sido uma estratégia da indústria editorial americana para o desastroso ano de 2009, segundo o jornalista Sérgio Augusto, neste artigo para O Estado de S. Paulo. Os bons velhinhos trazem vantagens, como a publicidade gratuita (vide este artigo) e uma bem estabelecida rede de fãs. Dentre trabalhos obscuros de Mark Twain, Graham Greene, JRR Tolkien e Ernest Hemingway, todos lançados essa temporada, talvez O original de Laura (Alfaguara) seja o mais honesto em qualidade, pela forma que foi trabalhado o material.

Nos Estados Unidos, o livro foi lançado no último dia 17 de novembro em um volume de luxo, com fac-símiles das fichas cartonadas no topo das páginas acompanhadas das transcrições abaixo. A intenção, segundo Kirschbaun, foi deixar claro não tratar-se do último romance de Nabokov, mas de fragmentos do trabalho interrompido pela morte do autor que revelam o processo criativo de um homem muito reservado. Tanto que as fichas da edição americana de O original de Laura (Alfaguara) - com correções, marcas de dedo e manchas de comida - são destacáveis e podem ser embaralhadas ao bel-prazer do leitor.

A trama gira em torno de um corpulento médico, Philip Wild, casado com uma lasciva e pequena mulher de passado conturbado, Flora. Em certo ponto Wild recebe em mãos o original de um livro chamado Minha Laura, sobre um cabeludo caso amoroso, em que reconhece sua esposa como a protagonista. Daí em diante passa a divagar sobre uma morte em que apenas dissolve-se completamente, a começar pelos pés.

Muitos consideram a publicação de O original de Laura (Alfaguara) como uma inquietante exposição do declínio de Nabokov anterior a seu falecimento. No Brasil, o livro também traz as fotografias das fichas manuscritas ao lado das transcrições. Cabe agora aos leitores brasileiros pôr todos os fatores na balança antes de decidir se devem comprar O original de Laura ou se preferem aguardar para investir nos outros 12 títulos de Nabokov que a Alfaguara pretende relançar no Brasil, inclusive coletânea de contos inéditos e romances fora de catálogo. Até então, Nabokov era publicado aqui pela Companhia das Letras.

>Leia um conto inédito de Vladimir Nabokov publicado na revista Piauí, "Natasha", aqui.

tags: literatura original espolio o-original-de-laura lancamento mercado-editorial heranca vladimir-nabokov nabokov



Search archive with Google:
http://www.google.com/advanced_search?q=site:listserv.ucsb.edu&HL=en

Contact the Editors: mailto:nabokv-l@utk.edu,nabokv-l@holycross.edu
Visit Zembla: http://www.libraries.psu.edu/nabokov/zembla.htm
View Nabokv-L policies: http://web.utk.edu/~sblackwe/EDNote.htm
Visit "Nabokov Online Journal:" http://www.nabokovonline.com

Manage subscription options: http://listserv.ucsb.edu/